GLAMOUR ONLINE | Jornalismo feminino em transformação

Em 9 de julho, a revista Glamour realizou a mentoria Novos desafios do jornalismo feminino online, com Giovana Romani, redatora-chefe da publicação, via plataforma Zoom. Revelando conceitos da linha editorial da revista e os bastidores da redação, a revolução digital na imprensa foi destaque na reunião, já que além das páginas do impresso, o jornalismo feminino encontra novos horizontes e formas de abordar leitorxs. Dedicação, competência e representatividade foram as palavras de ordem.

As mentorias realizadas pelo grupo de comunicação Globo Condé Nast – responsável pelos títulos Vogue, Casa Vogue, GQ e a própria Glamour no Brasil – são bastante propícias para um momento em que novos hábitos fazem novos tempos.

Giovana Romani, redatora-chefe da Glamour Brasil, abre sua apresentação ressaltando a importância de um tratamento legítimo da informação do trabalho jornalístico. É preciso que haja ao mesmo tempo compromisso com a verdade, procura por fontes seguras e matérias alinhadas às diretrizes da revista e aos interesses dos leitorxs.

Neste contexto de pandemia, a proliferação de informações falsas se tornou comum, infelizmente. A infodemia  – grande volume de informação disparado por inúmeros canais hoje em dia – faz as fake news deturparem a verdade dos fatos e das pessoas. Neste momento, o bom jornalismo é necessário na produção de pautas consistentes e relevantes. Na escrita do texto, clareza e imparcialidade dizem muito sobre a qualidade do veículo de comunicação e seu conteúdo.

Muito prazer, Revista Glamour Brasil

Romani enfatiza conceitos importantes para a linha editorial da revista. O pilar da publicação é sua versão impressa. O objeto revista se consagrou como um meio de informação no tempo. Não é difícil se lembrar de títulos que enchiam prateleiras de bancas de jornal no passado. Hoje, o impresso convive com o digital – tema desta mentoria.

Moda e beleza sempre foram relevantes à mulher. Com as transformações do mercado, é preciso rever valores para incorporar novas perspectivas. Racismo, desigualdade e medidas de isolamento social são alguns assuntos de grande importância para quem deseja passar informações quentes (ou novíssimas). A redatora usa a expressão “pilares contemporâneos” para enfatizar o que deve ser observado na elaboração das pautas, imagens e matérias. Feminismo, sororidade, amor próprio, body neutrality, diversidade, antirracismo e LGBTQIA+ norteiam os movimentos da publicação pelo olhar dos profissionais envolvidos.

Ainda apresentando a revista, Giovana levanta um questionamento: em tempos tão conturbados, como tratar de moda e beleza sem superficialidade? A partir de um painel que descreve os valores do veículo, percebemos que a Glamour realiza ações com propósito, ousadia, representatividade, autoestima, diversão, woman power e autoaceitação. Dessa forma, a publicação fica tão atual quanto o dia de trabalho que temos à frente. Um olhar disruptivo, inovador e conectado à realidade.

São valores que formam a marca Glamour. As ações da revista vão além de conteúdo. Lives sobre assuntos emergentes e encontros pela plataforma Zoom (como a série Os caminhos da influência digital e a própria mentoria) são eventos promovidos para oportunizar conhecimento e interação com profissionais da redação. São novos rumos conectividade afora.

Cliques, posts e links

Com a ascensão do ambiente digital, o conteúdo foi repensado. Adaptando-se às novas rotinas de trabalho devido à pandemia, títulos impressos mensais se tornaram bimestrais. Com mais tempo para leitura, textos ficaram mais elaborados, analíticos e profundos. Muito diferente do digital, em que a velocidade da informação acompanha o cotidiano do leitor com conteúdo mais enxuto, factual e certeiro. Do papel para as telas, muitas mudanças acontecem.

Alinhada às diretrizes da revista, a audiência digital é o guia para a produção de conteúdo. Mostrando a organização do site entre chamadas e imagens, Giovana Romani esclarece como a audiência e a atualização diária do site é importante. Em função disso, entrevistas e matérias devem render boas chamadas para muitos cliques!

Para saber o alcance e a relevância de conteúdo, ferramentas de métrica analisam o comportamento de navegação do usuário. Textos escritos com técnicas de SEO (Search Engine Optimization) garantem um bom ranqueamento no Google Analytics, que monitora quais e como os conteúdos são acessados.

Produzir crossmedia content, a produção para diferentes mídias, ajuda na repercussão. Uma visão de como o conteúdo se adapta a cada rede social é essencial para viralizá-lo. Além do post no Instagram com hashtags do momento, a Glamour já realizou instazines, minirevistas com tendências de moda, takeovers com personalidades para assuntos emergentes, memes e cards compartilháveis que levem o público ao site da revista.

Para a Condé Nast Brasil, o usuário que acessa a mais de dez conteúdos no site torna-se um heavy user (assíduo). Com destaque na audiência, matérias também são postadas no portal G1, para a felicidade de toda a equipe.

De todas as mentorias que participei, certamente esta foi a mais prática e objetiva para quem se interessa pela produção de conteúdo online. Ainda que as páginas da revista tenham seu público cativo, a Glamour acompanhou os novos tempos na entrega de conteúdo à frente do leitor.

Um jornalismo feminino que atrai audiência qualificada, sincera e engajada. Sintoma de uma conectividade latente e necessária em que os padrões de comportamento dão lugar a um conteúdo próximo do leitor e de sua identidade. Entre arrobas e hashtags, todos estão salvos.

Ivan Reis é graduado em Letras, especialista em Literatura e mestre em Linguística Aplicada. Atua como revisor e preparador de texto, mas gosta mesmo é de ler, escrever e tomar sorvete nas horas vagas. E-mail: ivan.reis@hotmail.com